Só metade da população usa cinto no banco traseiro, mostra pesquisa

O acidente com o ex-BBB Rodrigo Mussi, durante a noite da última quinta (30/03) mostra um grave problema que compromete a segurança viária: a falta de uso do cinto de segurança no banco traseiro. Rodrigo sofreu fraturas múltiplas, traumatismo craniano, passou por cirurgia e está internado em estado grave no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Assim, veja o que diz especialista sobre a desatenção no uso desse acessório tão importante.

falta de uso do cinto de segurança no banco traseiro
Foto: Agência Brasil

Acidente com ex-BBB chama a atenção para a importância o uso do cinto de segurança traseiro

O ex-BBB viajava em um carro por aplicativoqueperdeu o controle e bateu na traseira de um caminhão, na Marginal Pinheiros. Segundo informações preliminares, Rodrigo estaria sem cinto de segurança no banco de trás.

VEJA TAMBÉM

Em entrevista, o motorista afirmou não se lembrar de como o acidente aconteceu e disse acreditar que tenha cochilado. Com o impacto, Rodrigo foi projetado para fora do carro.

Apesar de obrigatório, apenas 54,6% da população usa o equipamento no banco traseiro, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) do IBGE, divulgada em 2021.

“Os passageiros têm a falsa sensação de que o banco da frente sirva como proteção em caso de acidente. Só que a força que uma pessoa recebe em uma colisão é algo em torno 35 vezes o seu peso e não há banco que possa pará-la”, comenta o diretor científico da Associação Mineira de Medicina do Tráfego (Ammetra), Alysson Coimbra.

“Quando há uma pessoa no banco da frente, o resultado pode ser ainda mais grave: o passageiro projetado com o impacto esmaga a pessoa sentada à frente e os dois podem ficar gravemente feridos”, alerta Coimbra.

Simulação da ausência do uso do cinto de segurança no banco de trás. (Foto: Youtube)

Outros problemas no trânsito, apontado pelo especialista

Outro problema que merece atenção do poder público é a regulamentação das jornadas de trabalho dos motoristas de aplicativo. “Diante das altas consecutivas do combustível, o rendimento dos motoristas caiu e isso acaba os obrigando a dobrar jornadas para ter uma remuneração minimamente digna”.

Embora ainda não seja possível afirmar há quanto tempo ele estava dirigindo, quando admite que cochilou ao volante o motorista deixa claro que estava cansado.

“Como a atividade de motorista de aplicativos não é regulamentada, não se aplica a esses profissionais a lei que estabelece pausas para descanso durante e entre as jornadas de trabalho”, completa Coimbra.

Isso é importante porque 90% dos sinistros de trânsito são provocados por fatores humanos, como sono, desatenção e comportamento imprudente.

Quando o passageiro contratar um serviço de transporte, além de usar o cinto de segurança, é imprescindível ficar atento durante todo o percurso. Ao mínimo sinal de imperícia do motorista ou alteração em seu estado geral, interrompa a viagem e busque abrigo em local seguro. Essa certamente é uma decisão que salva vidas”, completa o médico especialista em Medicina do Tráfego.

Pinterest

As informações são da Associação Mineira de Medicina do Tráfego (Ammetra)

Erica Franco
Erica FrancoJornalista por formação com mais de 15 anos de experiência em redação geral e automobilística. Passagens pelo caderno "Máquina e Moto" do Jornal Agora São Paulo, Folha online, Jovem Pan, Uol, Mil Milhas, Revista Consumidor Moderno, Portal No Varejo, entre outros. Atualmente dedica-se a função de editora do portal Garagem360, apurando notícias do universo automotivo e garantindo o padrão de qualidade dos conteúdos veiculados.
ASSISTA AGORA
Veja mais ›
777 slots - Acidente com ex-BBB chama atenção para não uso do cinto